fbpx

O menor mercado viável

Compartilhe este artigo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Um dos erros de marketing que já cometi muitas vezes foi tentar falar para vários públicos diferentes ao mesmo tempo.

Trazendo um exemplo da minha carreira, eu já criei treinamentos e experiências de aprendizagem sobre assuntos diversos para atender necessidades de profissionais muito diferentes entre si.

De servidores públicos a médicos. De estudantes universitários a executivos do mercado financeiro.

Eu gosto do desafio intelectual que viver essa escolha me trouxe. Ter contato com diversas tribos resultou em experiência de vida. Aprendi sobre diferentes estratégias de conteúdo, de venda e de atendimento. Por outro lado, é bem provável que meu negócio teria crescido mais se eu tivesse escolhido falar para menos pessoas.

É tentador escolher mercados grandes ou diversos demais. A escolha pode se tornar um fardo por motivos óbvios. Se você tem ou quer ter um pequeno negócio é realmente difícil atender com excelência pessoas com interesses tão abrangentes. É possível, porém bem difícil.

Pode ser uma armadilha também. Quem está tentando fazer uma mudança grandiosa demais, o desejo tão falado de mudar o mundo, tem grandes chances de empacar em algum ponto da estrada. O tamanho do desafio passa, então, a ser utilizado como justificativa.

No meu caso, foi a necessidade de trabalhar para pagar as contas mesmo.

Quem você deseja servir?

Além dos dados demográficos e critérios tradicionais, você pode escolher seu cliente ideal com base nos sonhos, hábitos, crenças e desejos dele.

Seth Godin, um dos maiores pensadores de marketing do nosso tempo, reforça a necessidade de entendimento do conceito de cosmovisão.

Cosmovisão é a maneira subjetiva de ver e entender o mundo, as relações humanas, os papéis dos indivíduos na sociedade, o sagrado, etc.

Esse conjuntos de valores que cada um de nós utiliza para entender a realidade é um poderoso atalho para traçarmos o perfil psicográfico daqueles que escolhemos atender.

Isso explica o sucesso de marcas que são amadas por seus usuários. Elas compreendem e comunicam em profundidade a cosmovisão dos seus clientes.

Na opinião do Seth, precisamos partir de uma cosmovisão e convidar aqueles que a compartilham a se juntarem a nós. 

É nesse ponto que ele elabora um dos seus conceitos mais práticos e preciosos.

Se você não segue o conteúdo do Seth Godin, faça isso já.

O menor mercado viável

Buscar incansavelmente conquistar a massa vai te tornar entediante. Levará você a fazer constantes concessões e generalizações. A média exige não ofender ninguém e satisfazer a todos. Esse é o caminho para a irrelevância.

Qual é o número mínimo de pessoas que você precisaria influenciar para compensar o esforço?

Se pudesse mudar a vida de apenas 30 ou 100 pessoas, quem elas seriam? 

Quando se está limitado pela escala é preciso ser excelente na escolha de quem você vai atender. O menor mercado viável é o foco que leva ao crescimento na era da internet.

A jornada fica mais divertida quando afastamos os descrentes e a arrogância do todos. Um negócio não é para todos, mas para aqueles que realmente se identificam com sua proposta.

Resista bravamente, seu negócio não é para todo mundo. 

O que aconteceria se você fosse específico em relação a quem você quer servir e sobre a mudança que você quer realizar?

Não estamos falando do conceito de produto mínimo viável (MVP), e sim de algo que vem antes dele.

Estamos falando sobre encontrar uma posição no mercado para qual você, e somente você, seja a resposta perfeita. A partir daí, atender a todos os anseios, sonhos e desejos desse pequeno grupo. Fazer a transformação acontecer de tal modo que essas pessoas não consigam deixar de comentar sobre ela.

Faz sentido para você?

Conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Leia mais

Blog

Storytelling tem que ter transformação

Imagine um filme ou um livro em que o protagonista termine a história exatamente do mesmo jeito que começou.  Posso garantir que você terá dificuldade para

Blog

As rosas não falam, mas inspiram a canção

A história de um dos maiores clássicos da musica brasileira e uma lição sobre a importância de treinar o olhar para perceber as boas histórias que estão em todo lugar.

Assine o LabFazedores

Seja um membro da nossa comunidade